Sobre a Redeh

A REDEH – Rede de Desenvolvimento Humano, criada em 1990, é uma associação civil, sem fins lucrativos, sem filiação política partidária ou orientação religiosa e tem como missão a promoção do desenvolvimento humano que contemple a igualdade entre os gêneros, raças/etnias, o desenvolvimento justo e sustentável, a proteção e conservação do meio ambiente e promoção da diversidade cultural.
A estratégia utilizada consiste em apoiar lideranças de mulheres e de outros atores sociais (jovens, comunidades e professoras/es), através de formação, na busca pela efetivação de direitos, no estímulo à participação nos processos decisórios e na implementação de políticas públicas voltadas para as mulheres, população negra, jovens e outros segmentos em situação de desvantagem social. Um dos focos da REDEH desde sua fundação é o campo do desenvolvimento justo e sustentável.

A redeh integra:

    

Projetos e Iniciativas

O projeto Alinhavando Vivências surgiu para as costureiras de Nova Friburgo e demais mulheres envolvidas no processo de confecção do vestuário e moda íntima que movem, em realidade, a economia da região. Elas representam 80% da mão de obra do setor e, por todo o histórico, estão em uma localidade de grande vulnerabilidade social, especialmente após o que ficou conhecido por todos como “a grande tragédia”, a forte chuva de 2011 que caiu provocando violentas enchentes, quedas de barreiras e desmoronamento de construções, deixando um saldo de aproximadamente 10 mil pessoas mortas ou desaparecidas, soterradas no lodaçal ou levadas pelos rios transbordados, em contagem extraoficial, relatada por moradores, parentes e vizinhança. Nova Friburgo viveu, então, além do luto pelos seus habitantes, um forte baque em sua economia, pois, além das dificuldades trazidas, as enxurradas levaram os instrumentos de trabalho das costureiras e paralisaram a principal atividade da região, a indústria têxtil e do vestuário. (mais…)

A REDEH, junto com  Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul AGEVAP, através da implementação do Programa de Pagamento por Serviços Ambientais com Foco em Recursos Hídricos no Município de Petrópolis-RJ, desenvolveu o projeto “Águas da Mata Atlântica 2” tem como objetivo a conservação de 30 ha de vegetação e a restauração florestal de outros 30 ha nas áreas de mananciais da microbacia do Rio Bonito e do córrego Taquaril, este último usado como ponto para a captação da água que abastece os bairros da Posse e de parte de Pedro do Rio.

Realizado no município de Petrópolis, na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, mais especificamente, nos núcleos rurais denominados Brejal e Taquaril. Esses núcleos rurais são importantes polos agrícolas, sendo Brejal considerado o maior produtor de alimentos orgânicos do Estado. (mais…)

O Projeto Fortalecimento da Articulação das Mulheres Brasileiras – AMB, tem o objetivo de contribuir para o protagonismo das organizações de mulheres ampliando sua força política como sujeitas da defesa de direitos e consolidação da democracia política, social e econômica no Brasil.

Ressalta-se que esse fortalecimento se insere na construção de um ambiente político e institucional favorável, que gere maior reconhecimento da relevância da atuação da sociedade civil – em especial de redes de/e organizações de mulheres -, na defesa de uma sociedade justa e democrática que as contemple, ou seja, antipatriarcal e antirracista. (mais…)

O projeto “Mulher 500 Anos Atrás dos Panos” faz parte do Programa Pesquisa e Documentação da REDEH – Rede de Desenvolvimento Humano. Foi lançado em 1997, com o propósito de contribuir para romper com o silêncio secular que envolve a atuação, o olhar, o corpo, o saber e a fala das mulheres na nossa história.

O Portal Mulher500 se constitui em um acervo de pesquisa e documentação onde priorizamos as temáticas de gênero, raça e etnia, com o intuito de mostrar as trajetórias das mulheres na construção do Brasil, divulgando biografias, imagens, estudos recentes, artigos, publicações realizadas, cartazes, bibliografia, etc. (mais…)

Levar à Conferencia Mundial da ONU Habitat, em 2016, uma contribuição sistematizada dos avanços teóricos e práticos, de programas e projetos, governamentais e intersetoriais, já realizados ou em curso na América Latina, bem como as vozes das mulheres sobre as demandas relativas a seus direitos de cidadãs, que permitam o avanço, com desenvolvimento justo, sustentável e seguro, rumo à cidades mais equitativas para as mulheres.

Com isso, pretendemos Influir para a inclusão da questão de gênero na pauta da ONU Habitat, para os próximos 20 anos, por se tratar de tema sensível e de grande interesse para a agenda das mulheres, bem como para a da sociedade como um todo. (mais…)

Quem Ama Abraça Fazendo Escola tem caráter educativo e preventivo no strictus e latus sensus como campanha que vem se firmando em novos modelos e conceitos para fazer juz à real inserção da mulher na sociedade. Como já diz o velho ditado, “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”. Nosso papel é o de “bater” com campanhas e “furar” o que se cristalizou socialmente nas mentes das pessoas há séculos e séculos: a mulher como ser inferior ao homem na hierarquia social. As mulheres são hoje importantes protagonistas na construção e desenvolvimento ativo da nova ordem social. (mais…)

O Adapta Sertão é uma coalizão de organizações que  atua no semiárido Brasileiro buscando viabilizar  estratégias e tecnologias sociais para adaptação a mudança climática da agricultura familiar.    Tem como foco de atuação inicial o interior da Bahia, especificamente, o Território Identidade  Bacia  Jacuípe  e municípios vizinhos. A meta é beneficiar diretamente um mínimo de 800 famílias até 2018.

O Adapta Sertão promove o cooperativismo como forma de desenvolvimento local e  aposta no empreendedorismo  para fazer frente aos desafios.Sua estratégia começa pela estruturação das propriedades rurais a partir do Modulo Agroecológico Inteligente e Sustentável (MAIS), que foi cuidadosamente desenhado a partir de experimentação e observação prática visando permitir  às famílias agricultoras continuar a produzir alimentos também durante as secas anuais ou no caso de uma estiagem prolongada. (mais…)

A REDEH, junto com outras 07 organizações feministas e antirracistas do Brasil, está participando do projeto “Escuta Qualificada: Direitos das Mulheres em Resposta à Tríplice Epidemia de Dengue, Zika e Chikungunya”, apoiado pela ONU Mulheres.

A proposta é buscar entender a real situação de vulnerabilidade em que vivem mulheres em idade reprodutiva e que tenham tido ao menos uma dessas arboviroses. Com isso pretende-se contribuir para que as participantes ampliem seus conhecimentos sobre a epidemia, sobre seus direitos, tais como à autonomia econômica, social, reprodutiva, à saúde física, mental e emocional, e assim oferecer subsídios para fortalecer a sua participação na tomada de decisões.

CARTILHA_ONU

Relatorio Final Pesquisa Arboviroses

Nos meses de junho e julho de 2014, o Brasil recebeu a Copa do Mundo de futebol masculino. Nesse contexto de grande efervescência de um esporte que se caracteriza como paixão nacional, propomos um outro olhar sobre esse esporte. Para evidenciar a invisibilidade que acompanha as mulheres que ousam jogar futebol, a Redeh organizou a exposição Mulheres em Campo Driblando Preconceitos, no museu da República, Rio de Janeiro, onde cada visitante pode se questionar sobre onde estão as mulheres no futebol, no país do futebol. A história do futebol feminino no Brasil foi contada sob a perspectiva das mulheres, que procurou visibilizar a luta e conquistas de inúmeras jogadoras que, desde o início do século XX até hoje, buscam construir e fortalecer a modalidade, num país onde o futebol é um símbolo da identidade nacional e não as inclui.   (mais…)

O projeto Tem Mulher na Jogada é um almanaque artístico e cultural com caráter educativo sobre a participação das mulheres brasileiras nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Fruto de uma parceria entre as ONGs REDEH (Rede de Desenvolvimento Humano) e streetfootballworld, a publicação está prevista para lançamento em agosto de 2016, com distribuição gratuita para bibliotecas públicas, ONGs, núcleos de pesquisa, imprensa e demais parceiros. O principal objetivo do almanaque é estimular a mudança de mentalidade e a superação de preconceitos de gênero, raça e deficiência. Além disso, pretende-se contar a história das mulheres brasileiras nos jogos Olímpicos e Paralímpicos, e promover o esporte como uma ferramenta para a transformação social e humana. (mais…)

Iniciativa de engajamento de atores para a definição de planos territoriais que proporcionem maior resiliência socioambiental aos agro ecossistemas da Mata Atlântica, considerando os efeitos das mudanças climáticas. Os maiores riscos são os eventos extremos comuns na região com chuvas intensas que provocam deslizamentos de terra e secas prolongadas – que propiciam a recorrência de incêndios.

O projeto tem como objetivo proporcionar coalizões de lideranças e geração de conhecimento coletivo sobre o manejo sustentável dos recursos naturais e seu caráter de serviço ambiental de forma que possa ser incorporado às práticas rurais. O AMA – Petrópolis foi elaborado com o objetivo desenvolver um plano piloto de adaptação às mudanças climáticas de acordo com as questões de maior relevância local.

Desde maio de 2004, REDEH/CEMINA trabalham junto à Comunidade Júlio Otoni no sentido de transformar a situação da favela que recebe este nome e estava em processo de franca deterioração devido sobretudo a influência crescente do tráfico de drogas. A primeira iniciativa foi a instalação de um Centro Comunitário e a articulação de diversas parcerias que trouxeram voluntários e outras organizações tais como o Instituto Pólen que desde 2006 vem colaborando na implantação de atividades educacionais para os jovens.

O objetivo, é oferecer para a população jovem local atividades alternativas no período pós- escola, especialmente nas férias escolares (num período em que de outra maneira, desperdiçariam seu tempo vagando à toa pela ruelas da favela). (mais…)

A violência de homens contra mulheres está profundamente associada ao modo como os homens são socializados. Uma vez que os meninos são geralmente ensinados a reprimir emoções, a raiva torna-se um dos poucos sentimentos que os homens podem expressar com aprovação da sociedade. Além disso, durante o processo  de  socialização,  muitos  homens  não  desenvolvem habilidades de comunicação interpessoal  adequadas às relações pautadas pelo diálogo.

Por terem testemunhado violências de homens contra mulheres em suas famílias de origem, ou por terem sido vítimas de abuso ou violência em casa, estão mais propensos ao uso de violência contra suas parceiras, filhos e filhas, reproduzindo o que alguns estudiosos denominaram de “ciclo transgeracional de violência”.

O conhecimento é o principal passo para a transformação da vida. Ao buscar qualificação e capacitação profissional, é possível crescer e ter mais chances de conquistar um espaço no mercado de trabalho. Fruto da parceria entre o RioSolidario, a CEDAE e o Ministério Público do Trabalho, a Casa Futuro Agora é um espaço de conhecimentos e preparação de jovens, entre 12 e 17 anos, para o mundo do trabalho.

Aulas dinâmicas, com conteúdos modernos, reúnem habilidades fundamentais para quem busca uma nova oportunidade. Em 11 unidades, são oferecidos cursos gratuitos de informática, inglês, poesia e audiovisual. Além disso, os locais contam com acesso gratuito à internet para toda a comunidade. (mais…)

A REDEH, através de dois Contratos de Gestão, assinados com a Prefeitura do Rio de Janeiro, é responsável pela administração das Naves de Irajá, Madureira, Padre Miguel, Penha, Santa Cruz, Triagem e Vila Aliança.

Estes equipamentos urbanos abrigam uma grande diversidade de ambientes com soluções de alta tecnologia além computadores à disposição do(a)s usuário(a)s, com ações específicas para o(a)s moradore(a)s das comunidades locais como cursos de qualificação profissional, oficinas, sessões de cinema e acesso à internet.

Com o compromisso de uma gestão de qualidade e inovadora, as Naves do Conhecimento, através da acessibilidade e da inclusão digital para todo(a)s, vêm cumprindo a sua missão como instrumento de transformação social. (mais…)